Os Despojados, Vol. 2

Os Despojados, Vol. 2 Eis Que Cheg Mos Segunda E Ltima Parte De Os Despojados Assistimos Na Primeira Parte Ida De Shevek Para Urras, Um Planeta Muito Semelhante Terra, Com As Suas Na Es Beligerantes, Grande Pobreza E Imensa RiquezaNesta Segunda Parte, Ursula K Le Guin Descreve Nos O Conflito Profundo De Shevek Perante Uma Realidade Completamente Diferente Do Seu Planeta P Tria, Anarres, Dominado Por Uma Civiliza O Anarquista Ut PicaUm Romance Prof Tico E Um Espantoso Tour De Force Da Not Vel Escrita De Ursula K Le Guin, Considerada Pela Cr Tica Internacional Uma Escritora Inteligente E Excelente

Ursula K Le Guin published twenty two novels, eleven volumes of short stories, four collections of essays, twelve books for children, six volumes of poetry and four of translation, and has received many awards Hugo, Nebula, National Book Award, PEN Malamud, etc Her recent publications include the novel Lavinia, an essay collection, Cheek by Jowl, and The Wild Girls She lived in Portland, Orego

❰BOOKS❯ ✮ Os Despojados, Vol. 2  Author Ursula K. Le Guin – Webcamtopladies.info
  • Mass Market Paperback
  • 156 pages
  • Os Despojados, Vol. 2
  • Ursula K. Le Guin
  • Portuguese
  • 23 October 2018

10 thoughts on “Os Despojados, Vol. 2

  1. says:

    opini o sobre os 2 volumes Os Despojados uma das obras mais emblem ticas de Ursula K Le Guin escrita em 1974, venceu v rios pr mios entre eles o Hugo e o Nebula, dos mais importantes dentro da fic o especulativa , mas obteve igualmente reconhecimento fora do mbito da chamada genre fiction A hist ria deste livro decorre em dois planetas fict cios Urras e Anarres O primeiro, bastante semelhante Terra, um planeta rico em termos de recursos naturais, mas tamb m marcado pelos constantes conflitos entre os seus povos Anarres a lua de Urras, um planeta in spito, que uma fac o dissidente de urrasti decidiu colonizar a fim de l implementar uma sociedade igualit ria, baseada no anarquismo e na partilha de bens Neste contexto, o leitor toma contacto com a personagem central, o f sico anarresti Shevek, que no in cio do livro ruma a Urras, tornando se assim o primeiro anarresti a faz lo O livro alterna entre cap tulos onde a a o decorre num e noutro planeta, mas n o de forma linear Em Anarres, acompanhamos os acontecimentos da vida de Shevek antes de rumar a Urras nos cap tulos deste ltimo, percebemos como decorre a chegada a este novo planeta, as dificuldades que sentiu, e todas as ilus es e desilus es que experienciou O que mais me agradou neste livro foi a riqueza em termos de temas para reflex o Atrav s da constru o de dois mundos fict cios ou nem tanto assim, pelo menos no que respeita a Urras que se posicionam praticamente em extremos opostos, a autora faz com que reflitamos na imperfei o de ambos e que nos questionemos sobre o que realmente a liberdade e o livre arb trio do indiv duo inserido numa sociedade Dentro da tem tica social, o livro foca tamb m o tema da inevitabilidade da exist ncia de estruturas de poder Mas os temas tratados v o muito para al m disto reflete se sobre a import ncia dos recursos naturais e sobre a natureza das rela es humanas, j para n o falar da importante teorias f sicas sobre o tempo tema sobre o qual pouco percebo e que me fez compreender um pouco pior certas sec es do livro Durante praticamente toda a leitura, senti que as personagens e a forma como estes mundos foram constru dos eram bastante reais e achei a escrita de Ursula K Le Guin muito acima da m dia Talvez n o o tenha lido na fase mais prop cia da minha vida, mas ainda assim foi um livro que me fez pensar e que penso estar mais atual do que nunca, tendo em conta o contexto presente E, dia a dia, a vida uma tarefa dif cil, cansas te, perdes o padr o Precisas da dist ncia, do intervalo A maneira de ver como a Terra bela v la da Lua A maneira de ver como a vida bela v la do melhor miradouro, a morte Um livro que brilha pela forma intemporal como retrata os dilemas de encontrar a sociedade ideal, com o equil brio na distruibui o de recursos A acompanhar isto, uma escrita not vel e um rol de personagens marcantes Recomendado.

  2. says:

    Este ano tinha por objectivo participar em alguns bookclubs, bem talvez n o participar activamente comentando e tal, mas lendo os livros e o que outros acharam dos mesmos, acompanhando a discuss o de modo passivo Isto sobretudo porque os bookclubs que pensava participar s o em ingl s e nem sempre me consigo exprimir convenientemente, e porque aquele em que mais tinha possibilidades de participar, por conseguir encontrar os livros nas BLX, um g nero ao que n o estou habituada fic o cient fica Mas achei que seria um desafio interessante ler os livros escolhidos e que tenho disposi o exactamente por sa rem da minha zona de conforto, afinal de contas h que experimentar o desconhecido de vez em quando.Foi por isto que peguei ent o nestes dois pequenos livros e j agora um pequeno a parte, achei curioso ver que este livro por c estava dividido e ainda por cima serem de tamanho t o pequeno, quando tantos criticam as op es das editoras portuguesas hoje, que dividem livros de 700 ou 800 p ginas em dois Nesta altura, penso que anos 80, ningu m criticava estas medidas PDizia ent o que peguei nestes livros, a escolha de Fevereiro do blog Dreams Speculation, e n o sabia bem o que esperar Sobre o que trataria As capas n o deram nenhuma ajuda, pelo contr rio, at me levaram a torcer o nariz algumas vezes, mas l me decidi a ler, num momento em que pouco ou nada conseguia prender me a aten o E realmente foi um problema passar da primeira p gina, penso que a li 2 ou 3 vezes at conseguir prosseguir, mas depois de ler a segunda j s o conseguia colocar de lado quando exausta e cheia de sono Os Despojados tem como pano de fundo dois planetas, Anarres e Urras, sendo o primeiro como que uma col nia do segundo, para onde partiram os partid rios de uma sociedade anarquista e solid ria, desgostosos da sociedade capitalista do planeta de origem Shevek tenta encetar um di logo entre ambos e ao longo dos v rios cap tulos seguimos a sua hist ria Os cap tulos alternam entre passado em Anarres, os cap tulos pares, e o presente em Urras, cap tulos mpares, providenciando nos uma vis o e conhecimentos dos dois mundos.No primeiro volume, a primeira metade do livro original, vemos o crescimento de Shevek em Anarres Ficamos ent o a saber que apesar de a sociedade ser an rquica, ou seja n o haver um governo, poucos problemas sociais h , sendo que todos se sacrificam para um bem comum, trabalhando no que gostam e participando ocasionalmente em trabalhos f sicos para providenciar o necess rio para a comunidade sobreviver Mas nem tudo t o igualit rio como parece Quem se atreve a pensar de forma diferente v as suas pernas cortadas, por assim dizer, n o conseguindo prosseguir os seus estudos, levando a um sentimento negativo, de que n o contribui para a comunidade Atinge por isso um muro Shevek passa por tal experi ncia, chegando a pensar suicidar se, quando for ado a abrir os olhos para a realidade em que vive.J no que toca ac o passada em Urras, um planeta bastante semelhante Terra pelo que curioso ver como Shevek se adapta a um mundo t o diferente para ele mas t o semelhante para n s leitores, percebemos que desejam algo de Shevek e que aquilo que vemos n o ser bem assim Shevek v se limitado em movimentos, n o parece poder sair da faculdade em que est instalado, para ver alguma coisa do resto do planeta tem de ser acompanhado, convidado para as festas em que est o sempre as mesmas pessoas Enfim, estranhei que num pa s capitalista todos tenham roupas ricas e frequentem grandes festas, o que me leva a ponderar se a mis ria n o estar escondida.E eis que o segundo livro come a exactamente com Shevek a ponderar se n o estar dentro de muralhas , a ver o que querem que ele veja Conhece ent o a outra face de Urras, onde tido como um Messias, que os pode tirar do jugo capitalista para a sociedade viver de forma igual, justa e em liberdade Pelo seu discurso inflamat rio, por assim dizer, ao alimentar um sonho que tantos acalentam, v se no meio da maior crueldade, presenciando a for a bruta usada para controlar as ideias e dissidentes Mas a hist ria em Anarres tamb m n o feliz para Shevek, que entende ent o que na sua terra natal come a a existir um poder burocr tico e central, mesmo que n o tenha sido essa a inten o e prop e se a construir uma Anarres para al m de Anarres , continuando a revolu o iniciada por Odo, j que a revolu o em si pr pria n o pode ter um fim, pois a estagna o e permite a emerg ncia dos centros de poder.O protagonista, e o pr prio leitor ouso dizer, percebe ent o que n o s o os Anarresti que devem ir ter com os outros povos mas os outros povos a evolu rem e ir ter, de livre vontade e de m os vazias, com a sociedade de Anarres Que o indiv duo que tem de perceber que a nica coisa que pode dar aos outros a sua pr pria pessoa, j que s a si que possui.Gostei bastante do livro, sobretudo pelo debate social mas a autora n o se centra apenas em nisso A diferen a entre as duas sociedades profunda, desde o uso e posse de objectos Urras tem uma pol tica de usar e deitar fora enquanto que Anarres n o tem sentido de posse, tudo partilhado at mentalidade, sendo um exemplo a diferente opini o sobre o papel das mulheres na sociedade.Achei curioso o subt tulo uma utopia amb gua mas realmente, quanto mais conhecemos cada sociedade a nossa vis o, tal como a de Shevek, vai mudando e percebemos que nenhuma perfeita Se uma parece esplendorosa devido riqueza do pr prio planeta, rico em sol, chuva, alimentos e vida natural, sabemos no entanto que h quem viva na pobreza e mis ria se a outra parece uma sociedade justa ainda que debatendo se com dificuldades devido pobreza do solo, o que inspira a entreajuda, vimos a descobrir que por detr s da igualdade existe um sistema de repress o que exclui quem n o se adapta s regras que surgem espontaneamente em defesa de uma comunidade ideal, que o indiv duo n o tem direito a ser tal se n o se enquadrar na m quina social um livro deveras interessante, que convida a pensar na nossa pr pria sociedade, sobretudo num momento em que parece tornar se t o individualista Devo confessar que por vezes me senti perdida, sobretudo na discuss o das teorias f sicas de Shevek, mas sem d vida um livro a ler.Vale o dinheiro gasto Estes livros foram emprestados, mas sem d vida de que s o para reler O tema interessa me bastante e a ambiguidade convida a pensar e a encontrarmos n s as respostas Seremos capazes de deixar objectos para tr s ou continuaremos a ser possu dos por eles Podemos pedir tudo dos outros sem darmos algo em troca Poderemos dar nos sem pensar em receber algo o oferecer ou o receber que traz felicidade

  3. says:

    Opini o sobre os 2 volumes J li de Ursula K Le Guin, o ciclo Terramar, que adorei, e portanto tinha bastante curiosidade em ler Os Despojados.A ac o desenrola se em dois planetas Anarres e Urras em que Urras muito parecido com a Terra, com recursos naturais, com trocas monet rias e marcado por conflitos, enquanto Anarres um planeta com um terreno mais des rtico, com uma sociedade anarquista que saiu de Urras , baseada na igualdade e partilha de bens A personagem principal Shevek, um f sico de Anarres, mas que no in cio do livro embarca numa viagem a Urras.A hist ria alternada entre cap tulos em Anarres e Urras, sempre atrav s de Shevek Nos cap tulos de Anarres vamos acompanhando a vida de Shevek, e nos de Urras a sua adapta o a este planeta e em ambos temos descri es sobre as sociedades.Um livro que nos faz pensar sobre os sistemas pol ticos, o poder, na liberdade enquanto sujeitos na sociedade, na forma como nos relacionamos com os outros, mas tamb m a import ncia dos recursos naturais Ursula K Le Guin criou um mundo e personagens bastante concretos, com um escrita envolvente.Um livro a reler PS Este livro merecia uma opini o mais desenvolvida Algo curioso, n o a respeito da hist ria, mas sim da edi o Actualmente, muitos leitores implicam quando as editoras dividem livros de 700 1000 p ginas, os vulgo calhama os, em 2 volumes No entanto, Os Despojados, quando foram editados em Portugal, talvez nos anos 70 ou 80, foram divididos em 2 volumes com 156 p ginas t o pucaninhos.

  4. says:

    Adorei a primeira parte deste livro filos fico de Ursula K LeGuin Deveras interessante fic o cient fica com uma pitada de filosofia a anarquia versus o capitalismo Este livro absolutamente espantoso Mais uma grande e incontorn vel refer ncia da FC da grande UKLG

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *